Diários em Arquivo



 

Diários concurso 1° edição, 2015/2016

 

Autor   Título  Ano   Sinopse

 

Castro (de) Fernando O meu diário de campanha 1917 O autor, Fernando de Castro, desempenhou a função de Oficial de Ligação junto da aviação inglesa e dá em “O meu diário de campanha” um testemunho inédito do que se viveu no Quartel General do CEP em St. Venant, entre Julho e Dezembro de 1917 – importante por adicionar informações a respeito da participação do Exército Português na I Guerra Mundial.
Coroado Serejo Martins Catarica Raquel  Inventário 13 2013 A autora apresenta assim o seu trabalho: “Um inventário das coisas escritas ao longo de 2013, um exercício de escrita, treino e método e vitórias sobre o cansaço. Às vezes diário íntimo, às vezes diário de viagem, às vezes ficção, às vezes crónica, às vezes poesia, às vezes tédio”.
Fernandes Costança Uma lição portuguesa 1960 O texto começa por realçar um período de emigração para o Brasil e dá o típico exemplo de uma família que nasceu e se desenvolveu nesse contexto. A autora, enquanto membro dessa família, refere o que presenciou nas quatro últimas décadas do século XX. No início, apresenta-se como observadora e narradora do que vê e ouve. Depois, passa a ser confidente de um militar que prestou serviço em Moçambique. Com base nas suas cartas, conta factos relativos a um período da guerra colonial.
Fernandes de Carvalho Neves Maria Luísa Sublime viagem – Memórias de família 1969-1979 História de família que permite compreender as histórias das pessoas e suas relações com a história do seu tempo. Por outras palavras são registos da vida dos pais da autora e das vidas que com a deles se cruzaram, inseridas no seu contexto socio-cultural. Percorrem-se espaços e tempos que vão da aldeia à cidade, da ditadura à democracia, ilustrados com cenas do quotidiano, passado e presente, da vida da sua família.
Fonseca Borges (de) Joaquim Gregório Resumo da vida de Joaquim Gregório da Fonseca Borges da Villa de Pombal, pobre homem que sofreu desde 1810 à 1830 1810-1830 Texto autobiográfico de Joaquim Gregório da Fonseca Borges, nascido em 1792, tabelião em Pombal; o texto foi escrito em 15 de Maio de 1830, e descreve as aventuras por que o autor passou durante a 3a invasão francesa (1810) e as lutas liberais (1830).
Jesus Nunes Gonçalves (de) Alexandrinha A (des)ilusão do sonho   Fala sobre a dor da separação e sobre a desilusão adveniente da perda do primeiro grande amor. Na inocência e pureza dos sentimentos, o “eu” acreditava ter encontrado o caminho da felicidade. No entanto, o namorado partiu e deixou-a perdida num cruzamento. É através da escrita que tenta desbravar o caminho dos sentimentos, num percurso feito de avanços e recuos, de pensamentos, de lembranças e de divagações caóticas na tentativa de reencontrar o seu “eu” errante. O diário não se encontra cronologicamente datado porque para a autora (o “eu” narrador) as emoções não eram datáveis.
Lopes Maria Emília Maria Emília   Uma série de histórias que acompanha a autora do texto desde a infância à idade adulta. A maior parte destas memórias são humorísticas e reportam-nos ao seu local de nascimento, estando rambém intimamente relacionadas com o modo de vida das pequenas aldeias durante o regime salazarista: o trabalho agrícola, a convivência entre géneros e a emigração.
Montano A.    

 

 

 

Monteiro Vaz Orlando História de uma vida 1949-2007

O autor apresenta assim o diário: “História de uma vida. Factos vividos entre os anos 1949 e 2007. Relato de peripécias da infância, adolescência e vida adulta”.

 

Ramiro Ramos Reginaldo Deus, é o qui sabi 1959-1997

 

Autobiografia de Reinaldo Ramiro Ramos, com especial incidência sobre os anos em que viveu nos Açores, Angola e S. Tomé e Príncipe.

 Rosa Bandeira Alda   Recordações e saudades  2008-2009 

 

A autora do texto apresenta o seu trabalho como “A minha infância e adolescência, escritos à idade de 80 anos”.

Silva Caio Falcão (da) Francisco 

  Goa 1961-1962

 1961-1962

 

O diário é composto por duas partes: as cartas do pai do apresentador do diário e o relato do seu cativeiro na Índia, nomeadamente os acontecimentos da guerra em Goa e os factos vividos pelo autor após ser sido feito prisioneiro em Dezembro de 1961 e até 1962, ano em que foi repatriado.

Tinoco da Silva Rodrigues Maria Isabel Autobiografía   A síntese do conteúdo é assim apresentada pela autora: “passado marcante; os meus empregos; viagens; despedimento; formação; a família; valores e opiniões”.

 

Diários fora do concurso

 

Dias de Oliveira Ana Maria A escrita na vida de uma educadora de infância 1950